my themes
“A grande verdade é que no fundo, ninguém gosta de ser solitário. No fundo todos gostariam de ter todos os dias alguém pra conversar, abraçar e quando for preciso chorar no ombro. É horrível passar dias sem trocar uma palavra com alguém que não seja seus pais ou irmãos. É horrível se sentir só.”
Estou do lado dos que querem um mundo melhor, para minha filha, para mim mesmo, para vocês, mas é preciso ter cuidado. Uma mudança no poder não significa cura. O poder não é uma cura. O grande esforço de suas mentes não deve ser como destruir um governo, mas sim como criar um governo melhor. Não sejam mais uma vez enganados e aprisionados. E se vocês vencerem, tenham cuidado com um governo que seja mais Autoritário e que acabe por deixá-los numa situação mais opressiva do que a anterior. Não sou exatamente um patriota, mas apesar de todas as enormes e fodidas injustiças ainda se pode expressar uma opinião e protestar e agir num amplo espectro social. Digam-me, poderia eu escrever um texto contra o governo depois que vocês assumirem? Poderia ficar nas ruas e parques e dizer a vocês o que penso? Espero que sim. Mas sejam cuidadosos se for para perdermos esse direito em nome da justiça. Peço que me apresentem o seu programa para que possa escolher entre o de vocês e o deles, entre a Revolução e o governo existente. Será que não me colocarão para cortar cana? Isto me deixaria bastante chateado. Por acaso construirão novas fábricas? Passei minha vida inteira fugindo de fábricas. Teriam meu escritos, minha música, minhas pinturas que levar em conta o bem estar do estado? Deixariam que eu ficasse largado em parques e cubículos bebendo vinho, sonhando, me sentindo nem e tranquilo? Deixe-me saber o que têm reservado pra mim antes que eu saia por ai queimando bancos. Preciso de mais do que colares hippies, uma barba, um turbante indiano, maconha legalizada. Qual é o seu programa? Estou cansado de todos os mortos. Não vamos desperdiça-los mais uma vez. Se é para enfrentar a baioneta das tropas estaduais, digam-me o que vou ganhar para isso.”
Charles Bukowski. 
Estou cansado de ser vilipendiado, incompreendido e descartado. Quem diz que me entende nunca quis saber. Aquele menino foi internado numa clínica, dizem que por falta de atenção dos amigos, das lembranças dos sonhos que se configuram tristes e inertes como uma ampulheta imóvel, não se mexe, não se move, não trabalha. E Clarisse está trancada no banheiro, e faz marcas no seu corpo com seu pequeno canivete deitada no canto, seus tornozelos sangram e a dor é menor do que parece. Quando ela se corta ela se esquece que é impossível ter da vida calma e força. Viver em dor, o que ninguém entende, tentar ser forte a todo e cada amanhecer. Uma de suas amigas já se foi, quando mais uma ocorrência policial. Ninguém entende, não me olhe assim com este semblante de bom-samaritano cumprindo o seu dever, como se eu fosse doente. Como se toda essa dor fosse diferente, ou inexistente, nada existe pra mim, não tente você não sabe e não entende. E quando os antidepressivos e os calmantes não fazem mais efeito. Clarisse sabe que a loucura está presente e sente a essência estranha do que é a morte, mas esse vazio ela conhece muito bem. De quando em quando é um novo tratamento, mas o mundo continua sempre o mesmo. O medo de voltar pra casa à noite, os homens que se esfregam nojentos no caminho de ida e volta da escola. A falta de esperança e o tormento de saber que nada é justo e pouco é certo. E que estamos destruindo o futuro, e que a maldade anda sempre aqui por perto. A violência e a injustiça que existe contra todas as meninas e mulheres, um mundo onde a verdade é o avesso e a alegria já não tem mais endereço. Clarisse está trancada no seu quarto com seus discos e seus livros, seu cansaço. Eu sou um pássaro, me trancam na gaiola e esperam que eu cante como antes. Eu sou um pássaro, me trancam na gaiola, mas um dia eu consigo existir e vou voar pelo caminho mais bonito. Clarisse só tem 14 anos…”
Legião Urbana. 
Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma. Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês.”
Martha Medeiros. 
Você tem que ser você. Vamos lá. Seja você. Repita mil vezes na sua cabeça. Seja você. Seja você. Seja você. Parece bobeira, mas não é. Pare pra pensar e veja; as vezes, você não é você. Portanto, comece a ser você. Não tenha vergonha, é importante ser o que se é. Assuma seus defeitos, erros, diferenças, frustrações e seja você. Todos somos únicos, cara. Você tem noção disso? Somos diferentes. Fazemos a diferença. Pare de tentar ser como os outros, e seja você. É difícil, eu sei. Da um medo enorme de se perder no caminho, mas vou lhe contar uma coisa; a melhor forma de se encontrar, é se perdendo. E coincidentemente, a melhor forma de ser você, é se encontrando. Então, vamos, seja você.”
Pedro Peixoto. 
*me when bored*
me: mom you need anything?
mom: no, thanks
*me on the laptop*
mom: can you come help me?
me:
Antes de lhe conhecer eu sempre quis alguém assim, como você. Alguém que fosse tudo de lindo que você é. Alguém que tivesse tudo de mágico que você possui. E eu ganhei um presente: você. De um modo incomum, de um jeito estranho, mas real.”
Clarissa Corrêa.
Tem coisa que não volta, por mais que a gente queira. Você pode até tentar voltar o disco, repetir a música, insistir na letra, cantar o mesmo refrão por mil e um minutos, fechar os olhos. Tem sentimento que não volta. Mesmo que você se esforce, recorde, tente voltar a página, refrescar o coração. Alguns sentimentos são bem pontuais: chegam, esperam pra ver se devem ficar e decidem partir ou continuar.”
Tati Bernardi 
Equilíbrio é coisa que é difícil até pra equilibrista. Estou tentando não me cobrar tanto nisso, só almejo um pouco da sabedoria celestial, já que a humana não atualizou.”
Sam Nascimento, La vida passe.
É estranho sentir tudo, e não saber descrever nada.”
Renato Russo.
Até a página 27, tudo era confuso. Só comecei a amar na página 28, um pouco depois de entender a perda, aceitar que nem tudo se ganha. Hoje, aqui estou eu, na página 346, feliz por saber que ainda tenho tantas páginas em branco para escurecer.”
Eu me chamo Antônio 
Tem dias que a gente não esta pra ninguém. Que da vontade de ficar deitado ali naquela cama por dias, de enterrar a cabeça no meio das cobertas e dormir por uns mil anos até toda essa dor passar.”
O Pequeno Bob.   
Que clichê horroroso. Não existe isso de momento. Um momento só é um momento digno de nota quando referenciado em todos os instantes significativos que sucederam antes de chegar a sua hora. E também há os momentos subsequentes. Ou seja, é ilusão achar que esse troço gostoso que poderia estar acontecendo entre nós lá em cima, agora às 23:37, seria apenas fruto isolado do agora e não um ato cheio de respostas e promessas. Eu não quero mais viver momentos, coisas sem significados. Não quero esquecer o passado e nem descartar o futuro. Ando sofrendo de agorafobia. Me deixa ir pra casa, por favor.”
Gabito Nunes.
Aprendi que vai demorar muito para me transformar na pessoa que quero ser, e devo ter paciência. Mas, aprendi também, que posso ir além dos limites que eu próprio coloquei.”
Charles Chaplin. 
Me acostumei tanto a pensar em você, que quando não penso parece que esqueci alguma coisa em casa. Tem gente que me irrita fácil. Tem gente que me faz bem fácil. E tem você que faz os dois. Desculpa se te liguei, é que esqueci de fingir que não estou nem aí. Das coisas que gosto, você é a que eu menos gosto de gostar. Não existe um jeito certo de abraçar, mas se existisse esse jeito, seria igual ao seu (exatamente igual o seu). Nunca foi amor, era uma parada bem mais legal, muito mais legal. Tem abraço bom, tem abraço ruim, e tem o seu.”
Soulstripper. 
Eu nunca aceitei de fato a ideia de mudar por alguém. Sempre tive aquele pensamento solto de que toda laranja tem sua metade, toda tampa tem sua panela… Acreditava cegamente que o amor não te cobrava nada, nem uma mudança se quer. Mas eu me enganei, e como me enganei. Sim, sim, nós mudamos até o jeito de pentear o cabelo. O amor nos torna adaptável.”
Carol Alves